pt | en

O protocolo celebrado no dia 28 de junho entre a Direção Geral do Ambiente de São Tomé e Príncipe, a Santa Casa da Misericórdia de São Tomé e Príncipe, a TESE - Associação para o Desenvolvimento, a UCCLA - União das Cidades Capitais de Língua Portuguesa, a SUPERMARITIME PORTUGAL, o PORTO DE LISBOA e a Câmara Municipal de Lisboa, irá permitir a exportação de resíduos de pilhas e acumuladores provenientes de São Tomé e Príncipe para Portugal, garantindo o seu adequado transporte e o posterior tratamento segundo padrões de segurança internacionais. É o culminar de um processo de negociações, iniciado no âmbito do projeto ValoRES | Valorizando Resíduos Criamos Emprego em São Tomé e Príncipe, a que se juntaram diversas instituições santomenses e portuguesas, permitindo assim encontrar uma solução que contribuirá para a proteção da saúde pública e diminuição da contaminação ambiental, preservando a rica biodiversidade de São Tomé e Príncipe.

Estima-se que anualmente em São Tomé e Príncipe sejam produzidas quatro toneladas deste tipo de resíduos perigosos, em resultado da proliferação de aparelhos elétricos e eletrónicos e pela ausência de energia elétrica em grande parte do território nacional. Na ausência de um circuito de recolha estabelecido pelas autoridades, nem uma obrigatoriedade legal de recolher este tipo de resíduos, estas acabam por ser depositadas em lixeiras a céu aberto ou em terrenos baldios, juntamente com o lixo doméstico.

 

 

criação daquela que será a primeira e única plataforma online em Portugal que reúne toda esta informação e a disponibiliza de forma personalizada